3 mitos sobre sistemas de gestão para instituições de ensino.

  • Post category:Gestão Educacional
  • Reading time:8 mins read
You are currently viewing 3 mitos sobre sistemas de gestão para instituições de ensino.

Quando falamos em sistemas de gestão para instituições de ensino uma série de dúvidas, e até mitos, quanto à sua eficácia e utilização podem surgir.

De acordo com as nossas recentes pesquisas existem 3 mitos que surgem com maior frequência, por isso vamos juntos desmistificar cada um deles.

Antes, porém, o convidamos a ler nossa série de artigos sobre sistema de gestão para universidade. 

A ideia é que com essas leituras complementares você já consiga acabar com algumas das suas possíveis dúvidas.

Agora sim, vamos aos principais mitos que cercam a utilização de um Sistema de Gestão para instituições de ensino.

1 – Sistemas de gestão são caros.

Não colocamos a questão do preço em primeiro lugar à toa. É praticamente uma unanimidade entre os gestores que são resistentes à um sistema de gestão: não o fazem por achar muito caro.

Mas por que essa afirmação está errada? 

Porque os gestores estão vendo o sistema como um custo, um gasto desnecessário e não como um investimento necessário.

Veja, o foco de contar com uma ferramenta como esta, em qualquer que seja o ramo é: otimizar os processos, acabar com o retrabalho, identificar os possíveis gargalos ou processos que estejam causando a perda de dinheiro, controlar toda a entrada e saída de dinheiro e, assim, evitar que o fluxo de caixa atue no negativo. 

Só até aqui, ele já está se pagando e com sobras.

Além disso, as universidades precisaram se modernizar e se adaptar aos novos perfis de seus alunos. 

Por exemplo, em geral, sistemas especialmente desenvolvidos para o ramo educacional possuem um ambiente exclusivo para aulas online, uma necessidade atual.

Outra facilidade que um sistema oferece que atende ao novo comportamento dos alunos é a facilidade de comunicação entre os alunos e a instituição e entre alunos e professores. 

Assim, contar com um software que agilize a liberação de notas e materiais de estudo, além de simplificar as interações, acaba se tornando um diferencial que favorece o aumento do número de alunos e a diminuição da evasão.

Portanto, embora a questão financeira seja sim relevante, mais importante que isso é que o sistema seja aderente ao seu modelo de operação e que traga resultados relevantes como os citados acima.

Recentemente fizemos um artigo falando, justamente, sobre os benefícios de um Sistema de Gestão Universitária. Vale a leitura!

Os benefícios de um sistema de gestão educacional.

2 – Esses sistemas de gestão não são completos.

De fato, existem alguns que não são completos e acabam atrapalhando mais do que ajudando.

Entretanto, nos arriscamos a dizer que, com certeza, isso acontece porque estes sistemas não foram desenvolvidos exclusivamente para o ambiente educacional.

Por isso, antes de contratar um software como este, certifique-se de que ele se trata de um Sistema de Gestão Educacional, somente assim, ele atenderá às necessidades de uma universidade sem que seja preciso a criação de módulos.

Veja a seguir alguns dos principais recursos de um sistema exclusivamente desenvolvido para instituições de ensino:

  • Registros acadêmicos e financeiros em geral;
  • Gestão da grade escolar, das turmas e dos horários;
  • Gestão do contrato de trabalho dos professores e funcionários;
  • CRM;
  • Controle dos atendimentos e interações;
  • Gestão da biblioteca;
  • Notas;
  • Material de aula;
  • Avisos e horários para os alunos;
  • Solicitação de serviços;
  • Ambiente e-learning;
  • Registro de notas e presenças.

3 – Sistemas de gestão são complicados de usar.

Complicado mesmo é usar várias planilhas que não se integram, te obrigando ao retrabalho de preencher todas elas várias vezes. 

Dizemos porque com certeza, se a sua instituição não usa um sistema de gestão educacional, então ela utiliza planilhas.

A grande facilidade deste tipo de sistema é o fato dele integrar todos os processos, e é exatamente isso que ajuda na eliminação do retrabalho e deixa tudo bem menos complicado.

Imagine, por exemplo, que temos uma planilha com todos os alunos inscritos em cada curso onde consta a sua situação financeira, inclusive.

Em outra planilha, temos os inadimplentes e por fim, uma planilha que controla a entrada e saída do dinheiro. 

Considerando que um aluno inadimplente pague a sua dívida, 3 planilhas diferentes precisam ser atualizadas.

Obs: Para o caso de planilhas integradas, a lentidão do computador por conta do peso das fórmulas e a possibilidade de erro humano na confecção de cada uma delas é real.

Por outro lado, em um Sistema de Gestão Educacional, por ter todos os setores integrados, existe a necessidade de um único preenchimento que automaticamente alimenta os demais campos.

Fácil não é mesmo?

Além disso, as fornecedoras deste tipo de software disponibilizam um treinamento completo para todas as pessoas que utilizarão o sistema.

Isso sem falar que sempre existe a possibilidade de contato junto ao suporte das fornecedoras para a elucidação de dúvidas que possam surgir no decorrer da utilização do sistema.

E então, desmistificamos as dificuldades de contar com um Sistema de Gestão Educacional? 

Conheça

Uma opção integrada acessível que pode atender melhor sua instituição.

Fale com um dos nossos consultores e veja nossas opções personalizadas.

O conteúdo foi interessante pra você? Compartilhe e deixe um comentário pra gente. Até a próxima!

Veja também nossos posts recentes:

Deixe um comentário