Melhores práticas de gestão educacional

  • Post category:Gestão Educacional
  • Reading time:6 mins read
Melhores práticas de gestão educacional

Todo gestor deseja o melhor para sua instituição. No entanto, são poucos os que sabem como melhorá-la.

A gestão educacional é um trabalho que requer uma série de boas práticas para que o sucesso seja alcançado.

Muitas Instituições de Ensino Superior até possuem um bom número de alunos e faturamento consistente, indicadores de sucesso, mas ainda assim contam com uma série de gastos desnecessários e imprevistos que acabam reduzindo os resultados positivos.

Neste artigo, falaremos sobre algumas das melhores práticas na gestão educacional. Essas práticas visam aperfeiçoar este processo e alcançar, de forma incontestável, o real sucesso da instituição, que tem um papel fundamental na qualidade do ensino oferecido.

O que é gestão educacional?

Em poucas palavras, o foco da gestão educacional é minimizar as chances de quaisquer erros e imprevistos, otimizando ao máximo os processos internos.

Além disso, faz parte da gestão compreender que os costumes dos alunos mudaram; sendo assim, as universidades precisam acompanhar essas mudanças e oferecer aos estudantes as ferramentas necessárias para o seu aprendizado.

No entanto, nem só de inovações vive a gestão. Veja outras preocupações que qualquer gestor de universidade deve ter:

  • Manter o fluxo de caixa em níveis saudáveis
  • Ter uma equipe de professores qualificados
  • Contar com um bom índice de aprovação de alunos
  • Contar com uma grade curricular adequada para cada curso
  • Manter a parte operacional da instituição em pleno funcionamento.

Então como fazer isso, na prática? Como manter tantas áreas diferentes sob controle? Vejamos.

As 4 melhores práticas de gestão educacional.

1 — Trate o financeiro como o coração do negócio.

Da mesma forma que os humanos precisam de sangue, uma instituição precisa de dinheiro para que todas as outras áreas do “corpo” funcionem.

Focando o ponto de vista no negócio, o setor financeiro, como na maioria das áreas empresariais, é onde se encontram alguns dos maiores problemas de uma instituição de ensino. 

Aqui, além de tentar encontrar um equilíbrio entre o que se ganha com o que se gasta, ainda é necessário lidar com a inadimplência, que possui números elevados entre universitários.

Portanto, para evitar quaisquer problemas, a dica é controlar todos os valores que entram e sobretudo, os que mais saem. Cuide para não gastar com ações e materiais que não tragam um retorno real à instituição.

Com relação à inadimplência, é fundamental criar uma política eficiente para contornar este problema. 

É preciso entender que os universitários, em geral, não conseguem se dedicar aos estudos, o que se aplica também ao setor financeiro. Por isso, crie planos de ação que facilitem o pagamento dos inadimplentes, dê descontos para pagamentos antecipados e assim por diante.

2 — Planeje-se antes de agir!

melhores práticas de gestão educacional

Esta regra vale para qualquer situação na instituição de ensino. A ação planejada consegue considerar fatores como pontos fortes e fracos da universidade, além de objetivos, oportunidades, ameaças e afins.

É o planejamento, por exemplo, que viabiliza planos de ação que:

  • Buscam novos alunos;
  • Diminuem a evasão escolar;
  • Reduzem custos;
  • Investem em contratações e equipamentos.

A questão aqui é bem ambígua, pois vai do simples ao complexo em poucas ações.

O planejamento parece algo fácil! Você sabe onde quer chegar e sabe quais são as ferramentas para isso. 

No entanto, muitos esquecem de considerar as possíveis consequências negativas e os fatores que vão além do seu próprio esforço.

Por isso, a dica é fazer o seu planejamento de maneira eficiente e embasada. Como? 

Conhecendo sua instituição de ponta a ponta, tendo controle de cada processo no todo. Desta forma, se torna possível prever os resultados e até mesmo as consequências.

Um bom planejamento consiste em objetivos de curto, médio e longo prazo. Considera também as tendências do ramo como, a urgência de cada ação, os recursos necessários para alcançar cada meta e, claro, o retorno disso à instituição.

Leia mais: como evitar a evasão de alunos na sua instituição de ensino.

3 — Modernize-se!

Conforme falamos, os alunos mudaram! Seus costumes, a maneira como consomem informação, a urgência para o resultado, o poder aquisitivo… praticamente tudo mudou. 

Sendo assim, as universidades precisaram se modernizar e acompanhar essas novas tendências.

Portanto, as boas práticas da gestão educacional passam por atender à expectativa dos alunos sem perder a identidade e a qualidade da instituição.

Os gestores precisam entender que os alunos, na maioria das vezes, não estão mais lá porque os pais os obrigam. O novo perfil de aluno é trabalhador, paga sua mensalidade e, com isso, se torna mais exigente.

Por esse motivo, recomendamos investir na modernização de equipamentos e das dependências da instituição. Além do mais, ministrar aulas on-line têm se tornado parte obrigatória da grade curricular universitária. 

Para isso, invista em plataformas de ensino remoto que possibilitem a integração das aulas on-line além da integração dos alunos com os professores e a instituição.

Leia mais: marketing educacional: como utilizar para atrair mais alunos.

4 — Controle tudo que for possível!

Calma, não estamos falando de instaurar um regime autoritário condenado por Foucault. Estamos falando sobre a melhor prática administrativa: o controle de tudo que ocorre na instituição. 

É o controle que evita que o fluxo de caixa fique negativo. É ele também que auxilia os gestores no processo estratégico, fornecendo dados sobre o ensino, como número de alunos aprovados, reprovados ou inadimplentes.

Auxilia  também sobre os itens básicos para manter uma instituição em funcionamento, como a qualidade da infraestrutura física e tecnológica.

Como colocar em prática estas dicas, mantendo a instituição sob controle?

A dica, neste caso, é contar com um sistema integrado de gestão educacional. Contar com este tipo de software possibilita aos gestores o controle total da instituição. Todas as práticas aqui citadas são englobadas por um sistema integrado.

Além disto, o sistema ainda oferece ferramentas como ambiente e-learning, acesso à matriz curricular, acesso à vida acadêmica e financeira dos alunos e muito mais.

Quer saber mais sobre gestão educacional através de um sistema de gestão integrado? Fale com um dos nossos especialistas.

O conteúdo foi interessante pra você? Compartilhe e deixe um comentário pra gente.

Veja também nossos posts recentes:

Deixe uma resposta